A importancia dos: Olfato e Paladar em casos de doenças crônicas.

 

Avaliação do olfato e paladar pode ajudar pacientes com doenças crônico

 

Raissa Moura, membro de grupo de pesquisa da UFPE, apresenta em Brasília teste que avalia o olfato (Foto: Cinthya Leite/JC)

BRASÍLIA – O olfato e o paladar são sentidos que estão no mesmo patamar da visão, da audição e do tato. Todos são importantes para o processo de aprendizagem e desenvolvimento do indivíduo, pois estimulam a percepção, a memória e a linguagem.

É o que garante a fonoaudióloga Raissa Moura, mestranda em saúde da comunicação humana pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). 

“É importante avaliarmos o olfato e paladar em nossos pacientes com doenças crônicas, pois alterações nesses sentidos podem favorecer o desequilíbrio do processo de salivação, de mastigação e de deglutição”, diz Raissa, que faz parte do grupo de pesquisa Patofisiologia do sistema estomatognático da UFPE, liderado pelos fonoaudiólgos Hilton Justino e Daniele Andrade da Cunha.

Como base para debater o tema, Raissa analisa estudos que mostram como a detecção precoce das disfunções olfatórias e gustatórias pode levar a um tratamento efetivo, por retardar a progressão das enfermidades que as ocasionam e por atenuar a severidade dos sintomas.

“Há artigos que revelam que indivíduos com rinite alérgica, por exemplo, tendem a apresentar alteração do olfato. Outros dão pistas sobre uma possível relação entre transtornos invasivos do desenvolvimento, como o autismo, e dificuldades de reconhecimento olfativo”, afirma a especialista.

Ela também chama atenção para os distúrbios neurodegenerativos, como a doença de Parkinson, cujos primeiros sintomas podem ser alterações no olfato. “Então, podemos observar que as funções olfatórias e gustatórias devem ser avaliadas por nós, fonoaudiólogos, a fim de os nossos pacientes terem uma melhor qualidade de vida na convivência com doenças crônicas”, assegura.

A preocupação maior de Raissa vem da lacuna em pesquisas sobre o assunto na área da fonoaudiologia. “Ainda há um caminho longo a ser percorrido, embora já possamos contar com publicação que avalia a percepção do gosto salgado em portadores de obstrução nasal e com outro estudo que analisa a percepção sensorial em crianças com transtorno específico de linguagem.”

Além disso, ela menciona artigos que nasceram do grupo de pesquisa Patofisiologia do sistema estomatognático da UFPE. A terapeuta ocupacional Ada Salvetti, pesquisadora da equipe, fez um levantamento das avaliações e das alterações do olfato e do paladar em pacientes que passaram pela laringectomia total – tratamento cirúrgico devido do câncer de laringe. “Ada também publicou outro artigo que mostra como é importante a reabilitação das funções olfatórias e gustatórias nesses pacientes”, complementa Raissa.

Todo esse apurado é inspiração para a dissertação de mestrado da fonoaudióloga, que estuda a caracterização do olfato e do paladar em crianças com respiração oral.  “Para analisar essa população infantil, vamos recorrer a vários procedimentos, como um teste das tiras gustativas que avalia o paladar. Em breve, teremos os resultados e pretendemos oferecer apoio aos respiradores orais”, finaliza Raissa.

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Rua Dr. Antonio Álvares Lobo, 487 – Botafogo – Campinas/SP - Fone (19) 3233.9544 Conteúdo: | Orneles